Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Sweet Nothing

Sweet Nothing

Seg | 30.08.10

Don't stop dreaming - Capítulo #24

Obrigada por todos os comentários, mas eu tenho recebido tão pouquinhos. Passa-se alguma coisa? Mais uma vez obrigada a todas as leitoras fieis da fic. Beijinhos e aqui fica o novo capitulo.

 

Capítulo #24

 

A sopa não estava má, mas a minha vontade de comer tinha desaparecido desde que tinha entrado no quarto, naquele maldito quarto. Que há alguns anos atrás me fazia feliz só pelo simples facto de ele, Richard, estar ali.  Agora era apenas mais um quarto, de uma pessoa que me fazia chorar. Comi a sopa, que já estava fria e lavei a louça, já eram nove horas da noite, tinha demorado imenso tempo a comer. Fui para a sala, acendi o candeeiro e liguei a televisão, mais uma vez nada de jeito. Fiz zapping nos mais de trezentos canais que tinha em casa, ainda não tinha percebido porque é que os meus pais tinham comprado aqueles canais todos se quase não viam televisão e quando viam era as noticias. Fiquei ali sentada a olhar para a televisão sem perceber de que assunto aquelas duas personagens falavam, estava imenso calor naquela noite de Verão por isso fui tomar um banho e vestir o pijama, demorei pelo menos meia-hora. A água fria clareava-me as ideias, as confusões desapareciam na sua passagem.Voltei para a sala, e fiquei entretida a ver um filme, e adormeci. Não sei quanto tempo dormi, mas acordei com o meu telemóvel a tocar desesperadamente, era Taylor. O que é que ele queria aquela hora? Já devia ser tardissimo.

 

[Chamada]

Anne: Estou, Taylor? - estava cheio de sono, ele tinha de ter alguma razão para me chatear aquela hora.

Taylor: PARABÉNS! - gritou-me aos ouvidos, que maneira de acordar, de certeza que quem estava ao pé dele não contava com aquilo

Anne: Obrigada, mas por favor nunca mais me grites aos ouvidos depois de acordar.

Taylor: Desculpa, desculpa. Então fui o primeiro?

Anne: Sim foste. O Edward já deve estar a dormir.

Taylor: Pois, eu liguei-lhe as onze e ele não me atendeu.

Anne: Já passa muito tempo da meia noite? - tinha perdido a noção do tempo.

Taylor sorriu e disse: Sim, então acordei-te? - perguntou receoso

Anne: Sim, mas não te preocupes, estava aqui no sofá toda encartada assim é maneira de ir para a cama.

Taylor: Ok, então não te chateio mais, mas esta tudo bem? Pareces distante Anne - porque é que toda a gente me conhecia tão bem?

Anne: Oh, tu sabes. Aquilo...ele...os meus pais.

Taylor: Pois . - senti a tristeza a apoderar-se da voz dele, ele também sentia a falta de Richard. - Não vamos falar mais nisso, afinal está de parabéns. Já és da minha idade e da do Edward, já não és a nossa pequenina.

Anne: Pois, mas tu adoras chamar-me pequenina, não é por fazer mais um ano que vais deixar de me chamar pequenina - disse de uma forma sarcástica.

Taylor: Pois não, continuas a ser a minha pequenina Anne, até logo.

Anne: Até logo? Mas tu só vinhas depois de amanhã.

[Fim da Chamada]

 

O que é que aquele menino andava a tramar? Resolvi ir para a cama, desliguei a televisão e subi as escadas em direção ao meu quarto. Deitei-me em cima da cama, não desfiz os lençóis.

Os primeiros raios de sol entraram bem cedo pela janela. Olhei para o relógio, marcava seis e meia, ainda era muito cedo para me levantar, mas ainda assim fui fechar a janela e voltei-me a deitar. De imediato voltei a adormecer, mas passado duas horas, acordei. Não com a luz da janela, mas com um barulho. A chave na porta...


19 comentários

Comentar post

Pág. 1/2