Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Sweet Nothing

Sweet Nothing

Sab | 07.08.10

Don't stop dreaming - Capítulo #11

Obrigada mais uma vez por todos os comentários!

Beijinhos, mais um capitulo aqui em baixo!

 

 

Capítulo #11

 

Anne: James! A Helen?

James: Ela também não está aqui?!

 

Onde é que aquela rapariga se tinha metido? O que se tinha passado entre James e ela? Porque tinha fugido? Fugido?

 

James: Já revirei a cidade à procura dela, ela não está em lado nenhum e a culpa é toda minha!

 

A culpa era do James? Já não estava a perceber nada! Mandei James entrar, o Ed estava já na sala, olhava para James com um misto de preocupação mas de alívio.

 

Anne: James, porque é que dizes que a culpa é toda tua?

James: Nós estavamos na praia, estavamos a namorar, vocês sabem. Mas não íamos passar daquela fase, estou-me a fazer entender? Nós estavamos aos beijos, coisas normais, eu estava com a mão na cintura dela, e derrepente ela afastou-se pegou nas coisas delas, pediu desculpa e saiu a chorar! Sou tão estupido!

 

Dito isto deu um murro na mesa, notava-se que James estava chatiado consigo mesmo, mas eu sabia a história toda e agora eu percebia porque Helen tinha fugido! Acho que o Ed, conhecendo me tão bem, percebeu que eu sabia a história, fez-me sinal e fomos até há cozinha. Não me senti bem a contar, mas era a única maneira de ajudar a Helen. A Helen, namorou dois anos com um rapaz chamado Alan, eles davam-se bem, a Helen estava feliz e pareciam gostar muito um do outro! Acontece que um ano depois da relação começar o Alan meteu-se nas drogas e a Helen era obrigada por ele a dar-lhe dinheiro. Bem, ela aguentou aquilo muito tempo, mas toda a gente tem o seu limite, Helen queria acabar com ele, um dia quando lhe disse que queria acabar com ele ,o Alan agrediu-a e violou-a! Depois, deixou-a ao pé de um beco e fugiu. Uma senhora de idade encontrou a Helen, ela estava muito mal, ficou no hospital durante um mês. Com os exames todos, acabaram por descobrir que Helen fora violada. A Helen, não acusou o Alan, pois ele morreu no ano passado de acidente de carro.

Enquanto contei a história ao Ed, o James esteve a ouvir atrás da porta. Ficou mesmo mal. Abracei-o.

Ed: Calma puto, ela não pode estar longe!

James: Eu revirei a cidade toda e não a encontrei!

Anne: Eu acho que sei onde ela está! Ela quando está mais em baixo, costuma ir para a escola primária!

James: Mas eu passei por lá e não a vi!

Anne: Passas-te pela antiga? Nós quando éramos pequenas, andamos naquela escola. Ela deve estar lá. Importam-se de me levar lá!

Ed: Claro que não! Vamos no meu carro!

 

O  caminho foi feito todo em silêncio. Ed, deitava olhares a James que ia no banco de trás! James sentia-se culpado. Eu acho que James pensava que Helen, o confundira com Alan. Chegamos finalmente à entrada da escola!

 

Anne:  Ed ?! Importas-te de ficar aqui com o James?

Ed: Eu fico com ele. Vai lá! Nós ficamos aqui!

James: Desculpa mas eu aqui não fico! A minha namorada pensa que eu a ia.... que eu ia fazer-lhe mal, eu tenho de ir falar com ela!

Anne: James, eu acalmo-a. Depois ligo ao Ed e tu vens ter com ela ok?

 

James não estava satisfeito, mas acabou por assintir com a cabeça! Corri para trás da escola! A escola era um edificio velho, muito branco, e muito degradado! Aparentemente parecia estar vazio, mas a Helen costumava ir para a parte de trás da escola e foi para lá que eu me dirigi! Lá estava ela. Com a cabeça entre as pernas, agarrada ao cabelo e a chorar! Não me ouviu aproximar... apenas me sentei ao pé dela e ela olhou-me e abraçou-me!

 

Anne: Calma querida! Está tudo bem! Ninguém te vai fazer mal!

Ninguém pode imaginar como Helen se sentia. Eu tenho a certeza que ela ama o James, muito mais do que amara Alan, mas era impossivel esquecer! Ficamos agarradas durante muito tempo, quase dez minutos, pode parecer pouco, mas quando se está triste, os minutos parecem anos!

Helen: Eu estava com o James, e depois nós .... e eu recuei dois anos e lembrei-me de tudo e...!

Anne: Querida, o Alan não te pode fazer mal!

Ela estremecia só de ouvir o nome dele, o que era normal!

Como estaria James? Será que Ed conseguia aguentá-lo há entrada da escola, muito mais tempo?

12 comentários

Comentar post

Pág. 1/2