Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Sweet Nothing

Sweet Nothing

Sab | 14.07.12

De contente me queixo? Acho que não é bem assim.

Provavelmente vocês vão ler este post e isto vai continuar a mesma coisa mas, nunca ninguém perdeu por tentar.

O que se passa é o seguinte: ontem pelas 17h35 o blog tinha 155180 visitas e hoje quando o relógio marcava o mesmo tempo o contador de visitas registava este número:  155291. Querem fazer contas? 111 visitas.

Agradeço, agradeço do fundo do meu coração por receber este número fantástico de visitas em 24 horas. Porque é que me estou a queixar? Porque durante esse período de tempo recebi apenas 3 comentários. É frustrante, é extremamente desanimador escrever histórias de três folhas, elaborar "capas" para essas mesmas histórias e receber tão pouco feedback da vossa parte.

 

Não se admirem, caso a situação não mude, que eu apareça menos por aqui e que os capítulos demorem mais a chegar.

 

Caso ainda não tenham lido, carreguem na imagem)

 

Sex | 13.07.12

Antes de criticar, admiro.

Uma coisa é eu não gostar que a Perrie ande com o Zayn, pois não acho que eles gostem um dou outro, outra coisa é eu admitir que ela tem uma voz fantástica. E sim, ela tem um voz extremamente linda. 

Hoje tirei a tarde para ver as audições das Little Mix - a banda da qual a Perrie Edwards faz parte - e ver realmente que elas têm talento. Para mim, todas cantam muito bem e foi uma óptima opção formarem um grupo porque não acredito que a solo as suas características vocais viessem ao de cima.

Depois de hoje, acho que vou acompanhar o percurso das Little Mix mais atentamente. Preferidas? Não tenho uma que me chame mais a atenção que outra mas existe qualquer coisa na Jesy que me cativa.

 

No post anterior está uma One-shot e não se esqueçam de comentar o capítulo.
Qui | 12.07.12

One-Shot - More Than This

Oiçam com a música que se encontra debaixo da imagem e comentem. Por favor, comentem.

 Melanie estava sozinha em casa e não esperava ninguém, daí a sua surpresa quando tocaram à campainha. Desceu as escadas um pouco à pressa e quando chegou à porta de entrada não se deu ao trabalho de espreitar pelo “buraquinho”, abrindo-a de imediato. Do outro lado, um rapaz de pele clara com a barba de há dois dias e uns olhos azuis-esverdeados muito inchados e marejados. Louis, o seu melhor amigo.

 

                -Louis, o que estás aqui a fazer? Porque estás assim? – A voz de Melanie transpirava preocupação, doía-lhe ver o seu amigo naquele estado. – Porque estás a chorar?

 

                O rapaz não lhe respondeu e ao notar as lágrimas no rosto de Louis, Melanie recebeu-o nos seus braços. Não se sabe ao certo quanto tempo assim permaneceram mas, o suficiente para que Louis parasse de chorar e a convite de Melanie se sentasse no sofá da sala. Encontravam-se os dois num profundo silêncio, apenas interrompido pela pesada respiração do rapaz que, de vez em quando para se tentar acalmar, suspirava. A mão de Melanie brincava nos cabelos dele, acabando por desalinhá-los mas nem isso o tornava menos bonito. Os olhos dele encontraram os verdes de Melanie, e esta tomou a liberdade de iniciar a conversa que se seguiu.

 

                - Mais calmo? – Perguntou-lhe, manifestando mais uma vez a sua preocupação e ao ver Louis assentir, prosseguiu: - O que se passou, Louis? Porque choravas?

 

                - Apanhei a Serena com o Nathaniel. Ela traiu-me, Mel. – De novo, aquela imensidão azul tornou-se marejada e mais lágrimas percorreram a bonita face de Louis. – A Serena traiu-me.

 

                Melanie sempre soubera que Serena não era a rapariga perfeita para Louis, nunca tinha acreditado que aquela loira falsa fosse merecedora de rapaz como ele. De todas as vezes que Louis lhe perguntava algo sobre Serena, Melanie acaba sempre por discutir com ele. Tinha perdido a conta a todas as vezes que o tinha avisado. Serena não o amava, se o amasse não o tinha traído. E porque? Porque é que Louis se tinha interessado por uma rapariga tão fraca de espírito? Tão pouco inteligente, que nem uma conversa de mais de dez frases conseguia articular. Qual a razão, para o coração do melhor amigo bater por Serena e, não por Melanie? O que é que ela tinha a menos que ela?

 

                - Eu lamento tanto, Lou. – Foi a única coisa que lhe foi permitida dizer.

 

                - Ambos sabemos que não lamentas, Mel. – Louis secou novamente as lágrimas e clareou a voz. – Estás morta para me dizer “eu bem te avisei”. Podes fazê-lo, podes deitar tudo o que pensas cá para fora. Pelo menos, serás verdadeira.

 

                - É verdade Louis, é tudo o que me apetece dizer: eu bem te avisei. – Respondeu a rapariga dos cabelos castanhos cacheados. – Quantas vezes te pedi para não alimentares mais esperanças? Para que não a conhecesses melhor? Para que não lhe desses uma oportunidade?

 

                - Muitas … - confirmou.

 

                - E tu, - acusou-o - preferiste não seguir os meus conselhos e agora estás assim. Porque é que aquela vaca só sabe brincar com os teus sentimentos? De todas as vezes que ela te magoou eu estive aqui, a avisar-te – e porquê? Porque Melanie era capaz de amar Louis mais do que Serena alguma vez tinha feito. - Explica-me Lou, explica-me como é que tu nunca percebeste que ela nunca te amou!

 

                - Eu estava cego por ela, Melanie. Cego! – Louis levantou a cabeça das pernas da rapariga por quem possuía um carinho extraordinário, e sentou-se do mesmo modo que ela, enfrentando a veracidade das suas palavras cara a cara.

 

                - Custa-me que, de todas as vezes que te tentei abrir os olhos não tenhas acreditado em mim. Se o tivesses feito, não estarias a sofrer Louis.

                - Eu sei disso, e estou tão arrependido por não te ter dado ouvidos. – Era notório esse arrependimento.

 

                - Não falemos mais nisso, ela é que perde. Espero sinceramente que nunca mais na vida dela se atravesse um rapaz como tu. – Melanie apertou Louis nos seus braços, e assim ficaram durante algum tempo. Louis, poderia jurar que o batimento cardíaco de Melanie tinha acelerado quando o seu corpo entrou em contacto com o dele mas, a sua cabeça estava demasiado confusa para fixar o que quer que fosse. – Promete-me que nunca mais voltas para ela.

 

                - Sabes bem que não, Mel. Só não me peças para a esquecer de um dia para o outro. Por mais que tenha sido uma brincadeira para a Serena, para mim foi verdadeiro. – E só Deus sabia o quanto Louis lamentava esse facto. – Infelizmente, foi verdadeiro.

 

                - Eu não te peço que o faças já, mas que tentes aos bocadinhos. De outra forma, será impossível para mim ver-te sofrer por muito mais tempo.

                - Aos bocadinhos, será. – Mais um momento silencioso invadiu aquela sala de estar, e mais um abraço surgiu. Abraço no qual, Louis tentava transmitir toda a sua gratidão por ter Melanie do seu lado, como sempre estivera em todas as situações difíceis. Melanie era de facto a sua melhor amiga, a sua irmã de coração. Por outro lado, Melanie mesmo que de forma condicionada tentava transmitir todo amor que nutria por aquele ser. Melanie amava-o, desde pequenos que o seu coração batia mais forte, de todas as vezes que avistava o rapaz de cabelos chocolate rebeldes. Para Mel, Louis era tudo o que ela via. Nunca lho dissera, e tencionava não o fazer com medo de perder a sua amizade. – Obrigada por tudo, Mel. Tens sido uma excelente amiga, eu gosto tanto de ti.

 

                - Eu também Lou, mal tu imaginas o quanto. – Confessou-lhe em sussurro.

 

 Naquela noite, Louis permaneceu em casa de Melanie e partilharam a mesma cama como já tantas vezes tinham feito. Enquanto o rapaz dormia, Melanie admirava-o com várias certezas em mente: Se fosse Melanie no lugar de Serena nunca teria partido o coração de Louis; se fosse com ela, Melanie tinha aproveitado todos os momentos com ele, tê-lo-ia acompanhado a todos os jogos da escola mesmo não percebendo nada do assunto; não teria insistido para que o rapaz a acompanhasse ao Baile de Inverno, mesmo adorando que ele lhe pedisse para ir consigo e dançarem a noite toda; se fosse com a rapariga dos cabelos cacheados, teria aproveitado todos os “momentos mortos” para lhe dizer o quanto ele significava; se fosse com Mel, teria feito tudo de maneira diferente. Mas não tinha sido com ela, e talvez por isso Melanie continuava amar Louis.

 Uma réstia de esperança despertava agora no coração da rapariga que possuía duas esmeraldas verdes no olhar: agora que não tinha de ver mais Serena nos braços de Louis, agora que as mãos do melhor amigo não entrelaçavam mais as da loira, agora que Melanie não tinha de encarar o chão ou outra coisa qualquer para não os ver chegar juntos e vê-la ocupar o seu lugar, talvez Louis olhasse para ela de modo diferente. Afinal, nada era impossível e Melanie é capaz de amar e fazer Louis feliz como nunca Serena fizera. Se Serena “tinha amado” Louis por causa da sua perfeição, Melanie amava mais do que isso.

Qua | 11.07.12

Obrigada Rádio Comercial

Já por vários momentos me deram momentos divertidos e por vezes, dou comigo a reclamar com vocês por passarem muita música repetida. Sejamos sinceros, ouvir a Rolling in the Deep, Anda Comigo Ver os Aviões e a Somebody That I Used To Know não sei quantas vezes no mesmo dia, cansa. É nessas alturas que eu dou razão ao meu pai, quando começa a mudar de rádio. 

Hoje, fui fazer a minha matrícula para o novo ano escolar e nem o meu "rico" director de turma (re)conhecia - deve ser com o amor - e onde está amor vocêm devem ler ódio - que lhe tenho. Dez minutos no mesmo espaço que aquele homem já foi muito, e só acabei por ver uma colega. 

Ainda por cima tive de acordar eram umas oito e meia da manhã, e agora estou para aqui a bocejar de dez em dez minutos. Mãe, estou de férias e da próxima vez que quiseres ir à cidade vamos de tarde. Boa?

E  agora para justificar o título do post deixo-vos esta música que passou ao meio dia e quarenta, e fiquei logo maluquinha por ela. Obrigada por terem uma coisinha no site que me permite ir ver as músicas ;) Estou muito grata.

 

Não me disseram mais nada quanto à One-Shot do Louis, como é? Querem ou não?

Não se admirem se daqui a dias esta música estiver na playlist do blog.
Ter | 10.07.12

Isto para vocês não tem interesse nenhum, mas alegrou o meu dia.

Fez um ano que nos conhecemos, e é tão bom pensar que há um ano atrás tinha estado no Porto a passar uma semana fantástica na Universidade Júnior. Oh meu deus, que saudades da minha Beatriz e da minha Sara. Sabes, eu gostava de voltar atrás e ter aproveitado melhor o tempo contigo F. Gostava de ter jogado uno mais vezes contigo, e mostrar-te que até sou boa naquilo. O problema é que tu és melhor, muito melhor. Tenho tantas saudades tuas. 

Lembras-te do que é que a Patrícia nos disse? Eu lembro, quase todos os dias. 

 

"É pena que isto dure apenas uma semana, gostava de ver a vossa amizade crescer."

 

Provavelmente nunca saberás o que senti enquanto ouvia Summertime Sadness da Lane del Rey pela primeira vez mas, eu não me vou esqueçer. A música ia a meio e o meu telemóvel vibrou com uma mensagem simplesmente linda: "Sinto tanto a tua falta!" 

E eu a tua meu anjo, e eu tuas. Espero que tenhas noção que foste a verdadeira razão do meu sorriso, hoje.

Seg | 09.07.12

Eu podia fazer uma mixórdia de temáticas!

Olá meus amores, como têm andando? Desculpem não ter andado muito por aqui mas não tenho tido temos para desenvolver e não quero preencher post com vídeos ou músicas.

 

 

Tenho uma one-shot pronta a postar onde a personagem masculina é o Louis dos One Direction, mas é apenas na parte física e no nome - ou seja nesta One-Shot ele não pertence a banda nenhuma. Não sei quando é que a coloco aqui, recebi pouquinhos comentários ao capítulo - post anterior - e secalhar espero mais um bocadinho antes de publicá-la.

Sex | 06.07.12

Before you leave me - Capítulo XI

Olá caros e estimados leitores, é com muito gosto que vos deixo o mais recente capítulo da história "Before You Leave Me". Para todos aqueles que têm perguntado sobre a "Dreams of Love" quero adiantar que o próximo capítulo já se encontra iniciado, finalmente a inspiração surgiu para aqueles lados. Quero deixar um pedido especial, como sabem todos os comentários são muito importantes pois tenho-os em conta como um incentivo e queria pedir a todos aqueles que não se sentem à vontade para comentar que, pelo menos, clicassem no botão "gostei" ou "não gostei" para eu ter uma pequena ideia de quantas pessoas lêem a história. Obrigada!

 

 

 O resto da noite decorreu da melhor forma possível, depois de jantarmos a pizza fria – pois Zayn teimava em brincar e meter-se comigo de cada vez que eu tentava dar uma trinca na fatia que me era destinada – vimos uma comédia romântica e acabámos por adormecer no sofá. Era bom, muito bom, estar assim com ele.

Fui despertada do aconchego do meu sono com uma suave e carinhosa pressão no meu braço direito. Sem abrir os olhos sorri involuntariamente depois de reconhecer a doçura dos lábios de Zayn contra a minha pele, provocando-me uma série de arrepios.

 

- Bom dia, princesinha! – Segredou-me ao ouvido o rapaz que deixava o meu coração apertado, num bom sentido.

 

- Bom dia – bradei no mesmo tom de sussurro. – Que horas são?

 

- Não faço a mínima ideia. – A polpa dos dedos de Zayn acariciava agora o meu rosto, delineando cada contorno do mesmo. – Mas são horas de olhares para mim.

 

- Deixa-me dormir só mais um bocadinho… - insisti. Zayn sabia o quanto eu gostava de passar mais uns minutos de pura preguiça.

 

- Eu deixar até deixo mas, vais ter de aguentar isto – os seus lábios doces davam agora pequenos beijinhos onde anteriormente os seus dedos tinham acariciado a minha pele.- Achas que consegues? – Perguntou num tom de desafio.

 

- Estás a duvidar das minhas capacidades? – Retorqui-lhe fingindo um tom ofendido.

 

- Nunca o faria. – Respondeu-me, dando seguimento ao ato que começara anteriormente.

 

Abri finalmente os olhos e deparei-me com um sorriso enorme no rosto do moreno, a cada dia que passava aquele sorriso conquistava o espaço do meu coração, que ainda não lhe pertencia. Deixamo-nos estar assim, a encarar um e outro. Ambos apreciávamos o silêncio, não precisávamos de palavras. Ele sabia que eu gostava dele. Eu sabia que ele gostava de mim. Por agora, era suficiente.

Levantei-me, dei-lhe um beijo no rosto e subi até ao meu quarto. Tomei um breve duche e vesti uma roupa bastante prática. Desci e preparei a mesa do pequeno-almoço, tínhamos acordado por volta das dez e meia da manhã. Poucos minutos depois Zayn, apareceu na cozinha e, tomou-me nos seus braços. Os seus lábios tomaram conta dos meus como prova de que o que tinha acontecido na noite anterior não se tratara de um breve momento, de um simples sonho. Era real. A sua testa encostou-se à minha e a sua mão brincou com o meu cabelo, como já era costume.

 

-Apesar do banho, ainda tens uma cara de sono enorme mas, ficas tão bonita com essa carinha de sono … - confessou, envergonhando-me. O seu polegar acariciou o meu lábio inferior e o seu indicador exerceu pressão contra o meu queixo, obrigando-me a olhá-lo de novo. - E envergonhada ainda ficas mais.

 

- Pára com isso. - Supliquei-lhe.

 

- E se não parar? Bates-me?

 

- Talvez te bata … - os cantos da sua boca elevaram-se e duas covinhas adoráveis tomaram conta do seu semblante. – Ou então, talvez faça isto. – Dei-lhe um pequeno “selinho” nos lábios.

 

- Prefiro a segunda opção.

(…)

                Ao final da tarde, enquanto tentava ajudar Zayn a fazer alguns exercícios de matemática – tarefa completamente impossível uma vez que Zayn teimava em meter-se com o meu cabelo e não prestar a mínima atenção ao que eu dizia – quando o meu telemóvel deu sinal de mensagem. Era de Mary: “ Olá pombinhos, (quer dizer) vocês já resolveram as coisas, certo? De qualquer modo, se ainda não são pombinhos quer dizer, que não seguiste os meus conselhos. Porquê? Responde-me que eu vou ter no mínimo, um ataque cardíaco, se não souber como estão as coisas.” Ri-me da sua mensagem, imaginado Mary a dizer estas palavras em voz alta e a escrever a mensagem andando de um lado para o outro.

 

- Posso saber quem é que resolveu interromper os meus estudos e te deixou feita parvinha a olhar para o telemóvel? – Perguntou-me Zayn ao mesmo tempo que as suas mãos fortes me colocavam sentada sobre as suas pernas.

 

- Sim tonto, era a Mary. Olha: - passei-lhe o telemóvel para as mãos e vi Zayn sorrir com a mensagem da amiga.

 

- Ela é mesmo avariada daquela cabeça. – O telemóvel regressou às minhas mãos e Zayn não perdeu oportunidade para as manter sobre as suas. – Já lhe respondeste?

 

- Ainda não. – Não sabia o que responder. A verdade é que eu e Zayn já nos tínhamos entendido mas quando dissesse isso a Mary ela iria perguntar-me se namorávamos, e isso estava longe de acontecer.

 

- Então deixa, eu faço-o. – Zayn esticou o braço e apanhou o seu telemóvel, abriu a caixa de mensagens e depois de digitar o número de Mary, escreveu: - "Olá sua intrometida, quem tem manda chatear a Colbie? Ela não te pode responder, está bastante entretida a ensinar-me matemática, e a partir de agora ela é minha. Falo consigo mais logo, beijinhos. ( E sim, já nos entendemos parva )."


- Com que então, agora sou tua? – Perguntei-lhe na brincadeira.

 

- Claro que sim, mas não tinhas dúvidas disso pois não? – Perguntou-me notoriamente preocupado.

 

- Não, meu anjo, não duvidava mas isto ainda é estranho para mim. Entendes o porquê, não entendes? – Tudo o que eu queria era Zayn a meu lado, mas um Zayn que me percebesse.

 

- Sim, meu anjo, eu entendo o porquê de tu estares receosa com isto tudo. – Zayn tinha notado o meu medo, e de certo modo isso deixava-me bastante mais calma. – Notasse nos teus olhos que tens medo mas, eu quero isto e já te disse ontem o quanto és importante. – Os lábios de Zayn depositaram um suave beijinho na minha bochecha e as suas mãos entrelaçaram-se nas minhas. – Ouve, eu sei que nós não vamos poder andar aí a mostrar o que sentimos a toda a gente mas eu não preciso de fazer isso, estar contigo e saber que tu sabes o quanto és importante para mim, basta-me.

 

- Zayn, eu acho que o Harry, a Mary e o Niall devem saber …

 

- Sim, é claro que eles devem saber. Tu sabes que eu nunca lhes escondi nada e não quero começar agora. Para além do mais eles adoram-te e vão apoiar-nos, disso eu tenho a certeza. Por agora, não dizemos nada aos meus pais, é melhor assim. – Ouvir o que Zayn me dizia, estava-me a deixar bem mais descansada. – Mas há um pequeno problema.

 

-Qual? – Perguntei aflita, ao mesmo tempo que virava o meu rosto para que os nossos olhos se encontrassem.

 

-Não sei como vou aguentar muito tempo sem te agarrar, sem te aconchegar ao pé de mim. – Respondeu-me com um sorriso a acompanhar.

 

- Teremos de aguentar, menino Zayn.

 

- Tudo por si, menina Colbie. – Não foi preciso nada mais para que os nossos lábios entrassem em contacto, num beijo um quanto ou tanto apaixonado. 
Qui | 05.07.12

O bom do zapping

Sabem quando não passa mesmo nada de interessante na televisão e vocês deixam estar num canal que até está a dar uma coisinha mais ou menos? Ontem aconteceu-me isso, o pior foi que esse canal mais ou menos resolveu ir para intervalo e eu detesto ver publicidade. Peguei no comando e percorri a lista de canais umas duas vezes. Quando, na terceira vez, me apercebi que na sic mulher estava a dar o X-Factor americano deixei estar. O que encontrei? Esta fantástica menina, Melanie Amaro prestes a iniciar a sua audição.

No fim, fiquei igual à Nicole: totalmente arrepiada e a chorar imenso.