Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Sweet Nothing

Sweet Nothing

Seg | 11.06.12

Que não seja assim tão doloroso.

Ou estes quatro dias que faltam passam muito muito rápido ou entro em paranóia. Estou tão farta de me levantar todos os dias cedíssimo e de chegar a casa a morrer de cansaço, ficar até tarde a estudar para depois entrar numa rotina que não dá os frutos que devia! Aposto eu, aqui com vocês - e várias pessoas da minha turma já admitiram o mesmo - que ninguém se esforçou tanto este ano como eu, e apesar disso os resultados não correspondem ao esforço. 

Para mais agora que as médias contam e em que cada ponto é valioso dei com professores que a única coisa que sabem fazer ... é foder os alunos. Peço desculpa pela má criação mas é mesmo assim.

Se têm prazer em "lixar" a vida aos alunos deveriam colocar-se no nosso lugar. Para mais, só me aptece espetar-lhe com o livro naquelas caras quando dizem: - "Vocês esquecem-se que eu também já estive desse lado!"

 

Sim, é verdade eles já estiveram no nosso lado. Em muitos dos casos isso passou-se há mais de dez anos atrás onde o ensino era diferente e onde as médias de acesso à Universidade eram bastante mais baixas. Só ando no décimo ano mas, já me encontro assustada com o que se vai passar daqui a dois anos. Os meus sonhos já se encontram adiados, e muito graças ao excelentíssimo e maravilhoso ranhoso e tudo mais que lhe quiserem chamar, professor de Matemática. Porquê? Porque nos testes dele não consigo passar do 14 e chego ao teste intermédio e tiro um 19. Faço mais de dois livros de exercícios durante um ano inteiro para depois ouvi-lo dizer, que as nossas espetativas não correspondem às capacidades que temos. A sério? Então agora explique-me como é que ao resolver outros testes sem ser os seus consigo ter excelentes notas e consigo não passo de um 14. Para mais, a média era clara: 12,5 no primeiro período - ok, deu-me 12; 13,5 no segundo período - 12 no final. E agora? Agora quase que aposto que vou voltar a ter 12.

 

Cara professora de Filosofia, eu quero acreditar que todo o esforço que tive no trabalho foi avaliado mas a sua avaliação/opinião não foi a melhor. Como é possível atribuir-me um 17 sabendo que fui a única aluna que não levou suporte papel e se fez entender durante o trabalho todo. Como é possível ter dado 18 a um elemento do meu grupo que esteve sempre com a cabeça amarrada sem encarar a plateia? Desculpe mas não percebo. 

Quero acreditar que sexta-feira vai ser minimamente justa.

 

E agora? Agora vou fazer exercícios de inglês porque se não na quarta não faço nada no mini-teste.

E deveria estudar física A ...  mas as forças não estão a chamar por mim.

8 comentários

Comentar post