Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Sweet Nothing

Sweet Nothing

Sab | 02.10.10

Don't stop dreaming - Capítulo #37 [Segunda parte]

Olá leitores, parece que a inspiração chegou. Um bocadinho tarde, mas o que importa é que chegou, e parece vir para ficar. :D. Espero que gostem do novo capítulo. Deu algum trabalho a fazer, mas ao mesmo tempo foi um dos capítulos que mais gostei. Espero que sejam da mesma opinião.

Beijinhos, Annie

 


Don't stop dreaming - Capítulo #37 [Segunda parte]


* Inicio do Flashback de Richard *


Mãe: Richard, finalmente acordas-te! - beijava-lhe a testa e escondia as lágrimas de felicidade que lhe teimavam sair pelos olhos. - Como te sentes?


Richard: Tonto , mãe o que se passou? Porque é que eu estou aqui?

 

Mãe: Tu foste atropelado, enquanto brincavas com a Anne. Um carro veio na vossa direcção, a Anne estava no passeio e pelo que percebi tu ao atravessares foste apanhado pelo carro.

 

Richard: Mãe por favor, não me escondas nada, eu sei que não me estás a contar tudo.

 

Mãe: Querido, tu tens de perceber uma coisa. Tu vais ter de fazer uma coisa má para a mana, mas vai ter de ser. - a mãe de Richard, chorava,

pois sabia que o que ia pedir ao filho ia ser difícil de perceber.

 

Ditas estas palavras olhou para a filha, que dormia ao canto do quarto, num sofá tapada por uma manta. Tinha de se assegurar, que o que ia fazer era o melhor para a família, tudo em prol da segurança dos seus dois rebentos.

 

Richard: Mas eu não posso magoar a mana, mamã. A mana é muito especial p'ra mim, eu não posso fazê-la chorar. - dizia Richard, que com a inocência dos seus pequenos cinco anos, não percebia o porque de ter de fazer alguém chorar.

 

Mãe: Richard, meu bebé, a mamã sabe que tu gostas muito da mana, e que é mau fazer as pessoas chorar, mas se não o fizeres algo de mau vai acontecer a mana. - as lágrimas corriam e molhavam a cama de Richard, o pranto de uma mãe é doloroso de se ver.

 

Richard: Mas, mamã, o que é que eu tenho de fazer?

 

Mãe: Richard, tu vais ter de ... tu vais ter de culpar a mana pelo acidente, e dizer que não a queres ver mais.

 

Richard: Mas, mamã tu disses-te que foi um senhor contra mim, a mana não teve culpa. - para uma criança de cinco anos, a mente de Richard não aparentava aquela idade. Ele entendia as coisas de maneira diferente, como se de um pré-adolescente se tratasse, mas nesta situação a sua cabeça estava um autêntico baralho de cartas espalhado pelo chão. Nunca se sabe qual a primeira carta a cair.

 

Mãe: Não, meu amor. A mana não teve culpa, mas tu tens de fazer o que a mãe te disse... - a conversa ainda não tinha terminado, mas os primeiros raios de sol entretiveram-se a entrar pela janela do quarto, e Anne começou a mexer-se. - Por favor, meu amor. Faz o que a mãe te pediu, não pela mamã mas pela Anne.

 

Dito isto, abraçou o filho num abraço apertado e dirigiu-se até a porta que dava acesso ao hall do hospital, lançou um último olhar encorajador ao filho e saiu. Tudo estava nas mãos de Richard.

 

* Fim do Flashback de Richard*

 

Anne, que escutava com atenção a voz de Richard enquanto esta, narrava o flashback não queria acreditar no que acabara de ouvir. Agora, encostada à janela, teve vontade de gritar bem alto, libertar a fúria que sentia. As lágrimas deslizavam dos seus olhos claros, e Richard estava de pé a dois passos da irmã, sem saber se devia continuar.

 

Anne: Porquê?

 

Foi a única coisa que Anne consegui dizer, as únicas palavras que a sua boca consegui formular. Porque é que a sua mãe fizera aquilo? Porquê?

 

Richard: Pouco depois de eu ter feito aquilo, a mãe mandou-me isto por uma enfermeira... - disse Richard com lágrimas nos olhos.

24 comentários

Comentar post

Pág. 1/2