Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Sweet Nothing

Sweet Nothing

Qua | 08.09.10

Don't stop dreaming - Capítulo #31

Olá leitores/as, mais um capítulo da fic já já a seguir, ontem não pude postar.

 

Aviso: Este capítulo vai ser narrado pelo Taylor.

 

Capítulo #31

 

Agora é que ele ia ver o que era bom para a tosse, mas qual era a dele. Vir sem avisar e esperava o que? Que ia ficar tudo bem? Não,não ia. Sai o mais rápido possível do parque, e apressei o passo até há casa da Annie. Ele tinha de estar em casa e ia ouvir o que eu tinha para lhe dizer, a bem ou a mal. Não demorei muito até há entrada da casa de Annie. Abri o portão e subi as escadas de acesso há entrada principal, eu não podia desistir agora, eu ia confrontá-lo. Bati há porta, e ouvi passos, que deviam ser da mãe de Anne.

 

Mãe de Anne: Olá Taylor.

 

Taylor: Olá Mrs.Stuart. Eu precisava de falar com o Richard, ele está?


Mãe de Anne: Sim está. Entra Taylor, eu vou avisá-lo que estás aqui.


Taylor: Obrigada.

 

A mãe de Anne, subiu as escadas em direcção ao andar de cima onde ficavam os quartos. O quarto de Richard estava mesmo em frente às escadas o que me permitiu ver Richard abrir a porta e a sua mãe lhe dizer que eu estava ali, para conversar com ele.

 

Mãe de Anne: Taylor, podes subir, vocês devem ter muito para conversar e ficam mais há vontade no quarto do Richard.

 

Taylor: Sim é melhor, obrigada mais uma vez. - a mãe de Anne não imaginava o quanto eu e o seu filho tínhamos para conversar, e se as coisas se exaltassem  era melhor que a mãe de Anne não estivesse presente.

 

Subi as escadas e vi Richard na porta do quarto, fez-me sinal para entrar. Ele sabia que eu não fazia intenção de lhe dar um abraço ou um simples aperto de mão que representa-se a minha alegria por estar ali ou por ele ter regressado. Tinha de despachar aquilo o mais rápido possível, por isso iniciei a conversa.

 

Taylor: Olha eu vou ser rápido só quero mesmo saber duas coisas. - disse olhando-o nos olhos.-  Porque é que voltas-te, agora?

 

Richard encarou-me durante um minuto e sentou-se na cama e passado algum tempo respondeu.

 

Richard: Taylor eu sei que vocês não vão entender as minhas razões.

 

Taylor: Olha eu tenho muito tempo para perceber, e não te preocupes que eu sei entender o que me dizem. - disse fora de mim.

 

Richard: Eu sei que para ti e para a Anne é dificil que eu esteja cá, mas eu nestes últimos dias tenho pensado muito na merda que fiz e... - o quê? Estava arrependido era?

 

Taylor: Espera, não continues. Pensaste na merda que fizeste nestes últimos anos, espera, quantos? Treze anos!

 

Richard: Eu sei que fiz merda nestes anos, mas eu reconheço o que fiz e... - mais uma vez não o deixei terminar.


Taylor: E, e o que? Tu voltavas e nós tínhamos de estar aqui de braços abertos para ti?

 

Richard: NÃO - gritou - Não é isso que eu eu espero e sei que vocês não são assim. Tu pensas que não me custou estar separado da minha irmã este tempo todo? Pensas que foi fácil estar separado dos meus pais, não estar com eles todos os dias , pensas que foi fácil ir para LA sem conhecer ninguém?

 

Taylor: Não deve ter sido fácil, mas tu só foste porque quiseste. E não ponhas o nome na Anne, tu é que a culpas-te de uma coisa que ela não fez, de uma coisa que ninguém podia evitar.

 

Richard: Eu era uma criança eu não sabia o que estava a dizer e a dimensão das minhas palavras. Agora sei que o acidente aconteceu porque teve de acontecer.

 

Taylor: Só agora, passados treze anos é que tu tomas consciência da merda que fizeste. Sabes o que a Anne passou? Não deves ter a mínima ideia, não sei se sabes mas ela sofreu mais do que tu e disso eu tenho a certeza. Ela nunca mais cantou, nem tocou desde que foste embora, e muitas outras coisas que ela fazia e já não faz. A Anne perdeu uma parte dela quando te foste embora, agora tem andado melhor desde que o Edward apareceu na vida dela, mas ontem tu apareces-te e foi como o mundo dela desabasse de novo.

 

Richard:Eu sei que a Anne sofreu e quando cheguei a LA, tive vontade de largar tudo e voltar mas...

 

Taylor: Olha não precisas de dizer mais nada, tu és um cobarde. Não és aquele Richard que eu conheci há treze anos. Eu não quero ouvir mais nada, queres um concelho? Sai da cidade, volta para LA e deixa a vida da Anne e a minha em paz.

 

Dito isto saí, bati-lhe a porta do quarto dele na cara e desci as escadas de acesso há porta da entrada. Fui interrompido pela mãe de Anne.

 

Mãe de Anne: Taylor estás bem, está tudo bem ?

 

Taylor: Sim acho que sim...quer dizer não . Olhe esqueça, está tudo normal, sim essa é a palavra. Adeus Mrs. Stuart.

 

Mais uma vez sai, não deixei que Mrs. Stuat se despedisse, tinha de sair dali o mais depressa possível.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.