Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Sweet Nothing

Sweet Nothing

Feliz dia 24 de Dezembro

Hoje, para muitos de vós, é um dia especial ... Para mim é apenas mais um dia, com uma ementa específica e filmes na televisão. Se acompanham o blogue há muito tempo sabem que eu sou aquela rapariga que não gosta desta época. Nem sempre foi assim, mas as circunstâncias da vida mudam a nossa disposição para celebrar certos momentos.

Para mim o Natal significa família reunida, conversas e mais conversas à volta da mesa, as mulheres todas na cozinha enquanto os homens se sentam perto da lareira a discutir um assunto que não tenha que ver com a noite em que estão. Aqui em casa, não funciona assim. A família até é grande o problema é que se encontra separada. 

E se, antes ainda se justificava fazer pinheirinho com algumas prendas lá debaixo ... hoje nem luzes temos. Não há nada cá em casa que diga que é natal. Não há luzes, não há enfeites ... e, milagrosamente, não há presépio. Não que eu me importe ... muito.

 

A verdade é que tenho saudades de ser pequenina, de ter uma enchente de prendas logo no ínicio do mês. Tenho saudades de não me conseguir conter e ir abrindo os presentes antes do dia 24, e ao ver o número de prendas diminuir começar a chorar porque quando o dia chegasse não teria nenhuma prenda para abrir. A verdade, é que quando chegava o dia 24 tinha quase tantas prendas debaixo do pinheiro como as que tinha aberto nos dias anteriores. 

Não me interpretem mal, não sinto apenas falta das prendas. Sinto falta do ambiente que se vivia cá em casa, mesmo sendo os mesmos de todos os dias. 

 

Desde que a minha avó faleceu que a minha mãe deixou de dar importância a estas datas, antes também não dava muito mas é diferente. Continua a fazer umas rabandas, umas filhós e alguns dos doces da época... Mas é só para ter alguma coisinha na mesa, por ela e por mim comia-se o mesmo de todos os dias. O polvo e o bacalhau é mais porque o meu pai gosta ... Por nós as duas, um prato de esparguete servia. A minha refeição vai ser o mesmo de tantos anos: batatas cozidas, ovo cozido e uma lata de atum - não gosto de polvo e bacalhau cozido não me chama a atenção.

Quanto aos doces, dou uma trinca no bolo de ananás e nada mais.

 

"Porque é que só nesta quadra é que tu reparas se eu estou bem ou mal?
Diz-me lá onde é que páras o resto do ano?
Eu preciso mais de ti do que te vais lembrando.
(...)
Eu preciso mais de ti do que te vais lembrando.
Um feliz Natal, não hoje, mas o ano inteiro!"

3 comentários

Comentar post