Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Sweet Nothing

Sweet Nothing

Palavras que aconteceram ... #3

Resposta (tardia) a esta carta

 

Neste momento invejo-te, querida. Já viste todos os episódios que saíram de Games of Thrones e eu mal a segunda temporada comecei. Eu não tenho culpa, parece que o tempo não me chega para nada e precisava que um dia durasse uma semana para poder fazer tudo o que quero e me tento propor. 

Não, por acaso ainda não me tinhas dito que o teu pai tinha emigrado. Deve ser muito difícil estares habituada a conviver todos os dias com ele, não estar mais do que dois meses longe dele e agora veres-te com um oceano entre vocês. Acho que fizeste bem em aguentar-te, e não teres chorado. É sempre preciso uma pessoa forte nessas situações e a ti foi-te incubida essa tarefa. Tenho a certeza que tu e a tua mãe se vão apoiar mutuamente até ao Natal e conseguir superar as saudades que sentem dele. O Skype e as chamadas telefónicas também ajudam mas eu sei, e tenho a certeza que toda a gente sabe, que não é a mesma coisa. Em menos de nada já o tens contigo. O tempo passa a voar. Parece que ainda ontem comecei as aulas e já estou a meio da terceira semana.

Muitas coisas aconteceram desda a última vez que te escrevi, algumas ou a maioria já tu sabes.

O rapaz "descomplicado" pediu-me para falarmos e resolvemos as coisas, porém continuo reticiente em confiar nele como antes e não sei se isso vai alguma vez acontecer. Aos poucos consigo estar menos nervosa de cada vez que estou no mesmo grupo de amigos que ele, mas ainda me custa bastante. 

Quanto ao G. ... bem, desisti.

Não consigo mais, atingi o meu limite. 

Cheguei a um ponto em que não suporto que me ignorem, que façam de mim parva ... Acho que andei adormecida ou a sonhar durante muito tempo e agora que acordei foi quase como um choque térmico me tivesse atingido.

A partir do momento em que ele me deixa de responder às mensagens, não me diz nada no sábado quando lhe mandei uma mensagem escrita a pedir desculpa caso tivesse sido parva (sei perfeitamente que não fui, era mais do que natural que eu tivesse pensado que íamos sozinhos para baixo e não com o grupinho de amigos dele) e ele não me responde, chega. Passei por ele na segunda mais do que duas vezes, e de todas as vezes que isso aconteceu virou a cara.

Chega, simplesmente fartei-me. Não me quer responder, eu vou aprender a fazer o mesmo. Vou aprender a deixar de querer ter a iniciativa, e com o tempo vou habituar-me a deixá-lo para trás. Pode ser que quando se aperceber do que fez, eu já não queira saber ...

Coincidência ou não, depois de tomar a decisão que te falei anteriormente encontrei a imagem da carta de hoje. Acho que o tumblr adivinha o que eu estou a passar e a pensar.
Como é que estão as coisas a correr na Faculdade? Já fizeste aquele exame de inglês? Como correu? Estou tão curiosa sobre o mundo universitário e ninguém me conta nada.
Espero que as coisas com o E. se estejam a compor.
Carinhosamente, Ana.
Desculpa-me por esta carta ser pequena, mas tenho um trabalho de psicologia em atraso e montes de trabalhos de casa para fazer.

2 comentários

Comentar post